quinta-feira, 4 de junho de 2020

Pesquisadores da UFPR descobrem bactéria do mangue capaz de degradar celulose

Uma nova bactéria, descoberta na Baía de Guaratuba, litoral do estado do Paraná, teve o genoma sequenciado por uma equipe de pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR). A Streptomyces S3, coletada em uma região de manguezal, tem a capacidade de degradar celulose e quitina, o que pode ter aplicações na indústria, especialmente na produção de etanol de segunda geração.
Atualmente, o principal gargalo na produção de etanol de segunda geração é exatamente a etapa de degradação da celulose. "O grupo de pesquisa agora busca identificar quais são as proteínas responsáveis pela degradação de celulose no genoma, assim será possível produzir estas proteínas em grande quantidade para degradar celulose. Futuramente esta pesquisa poderá ser aplicada para converter os restos de jardim ou bagaço de cana-de-açúcar em biocombustíveis como o etanol".
Por: Amanda Miranda - Universidade Federal do Paraná, 25/05/2020.

quarta-feira, 3 de junho de 2020